Extrato oral de THC:CBD da cannabis para náuseas e vômitos refratários induzidos pela quimioterapia: um estudo randomizado, controlado por placebo, fase II, em crossover. - CBfarma

Extrato oral de THC:CBD da cannabis para náuseas e vômitos refratários induzidos pela quimioterapia: um estudo randomizado, controlado por placebo, fase II, em crossover.

Este estudo multicêntrico, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, fase II/III teve como objetivo avaliar um extrato oral de THC:CBD (tetra-hidrocanabinol:cannabidiol) da cannabis para prevenção de náuseas e vômitos refratários induzidos pela quimioterapia (CINV). Neste relato, apresentamos os resultados da fase II do estudo. Os pacientes elegíveis experimentaram CINV durante quimioterapia intravenosa de moderada a alta emetogenicidade, apesar da profilaxia antiemética em conformidade com as diretrizes. O tratamento do estudo consistiu em um ciclo de 1-4 cápsulas de auto-titulação de THC oral 2,5 mg/CBD 2,5 mg (TN-TC11M) três vezes ao dia, do dia -1 ao dia 5, e 1 ciclo de placebo correspondente em um desenho crossover, seguido da preferência cega do paciente por um terceiro ciclo. O desfecho primário foi a proporção de participantes com resposta completa durante 0-120 horas após a quimioterapia. Um total de 80 participantes forneceram 80% de poder para detectar uma melhora absoluta de 20% com um valor de p bilateral de 0,1. Um total de 81 participantes foi randomizado; 72 que completaram dois ciclos foram incluídos nas análises de eficácia e 78 que não retiraram o consentimento foram incluídos nas análises de segurança. A idade mediana foi de 55 anos (intervalo de 29 a 80 anos); 78% eram do sexo feminino. A resposta completa foi melhorada com THC:CBD de 14% para 25% (risco relativo 1,77, intervalo de confiança de 90% 1,12-2,79, p = 0,041), com efeitos semelhantes na ausência de êmese, uso de medicamentos de resgate, ausência de náuseas significativas e pontuações resumidas para o Índice de Vida Funcional-Êmese (FLIE, na sigla em inglês). Trinta e um por cento dos participantes experimentaram eventos adversos relacionados ao canabinoide moderados ou graves, como sedação, tontura ou desorientação, mas 83% dos participantes preferiram a cannabis ao placebo. Nenhum evento adverso grave foi atribuído ao THC:CBD. A adição de THC:CBD oral aos antieméticos padrão foi associada a menos náuseas e vômitos, mas também a efeitos colaterais adicionais. A maioria dos participantes preferiu THC:CBD em relação ao placebo. Com base nesses resultados promissores, planejamos recrutar mais 170 participantes para completar a inclusão para a análise definitiva da fase III, em grupo paralelo.

Faça o upload da sua documentação

Indique o seu médico

Faça o upload da sua documentação