Ação Antiepilética das Substâncias Ativas da Maconha - CBfarma

Ação Antiepilética das Substâncias Ativas da Maconha

A demonstração da atividade anticonvulsivante dos congêneres do tetrahidrocanabinol (THC) por testes laboratoriais (Loewe e Goodman, Federation Proc. 6:352, 1947) levou a um ensaio clínico em cinco crianças epilépticas institucionalizadas. Todos eles tinham epilepsia sintomática grave com retardo mental; três também tinham paralisia cerebral. Os traçados eletroencefalográficos foram grosseiramente anormais em todo o grupo; três tiveram atividade convulsiva focal. Deles ataques foram inadequadamente controlados em 0,13 gm. de fenobarbital diariamente, combinado com 0,3 gm. de Dilantin por dia em dois dos pacientes, e em um terceiro, com 0,2 gm. de Mesantoína diariamente. Dois 3 (1,2-dimetil heptil) homólogos isoméricos de THC foram testados, Números 122 e 125A, com potências de ataxia cinquenta e oito vezes, respectivamente, o da maconha natural princípios. O número 122 foi dado a dois pacientes por três semanas e a três pacientes por sete semanas. três responderam pelo menos tão bem quanto à terapia anterior; o quarto tornou-se quase completamente e o quinto totalmente livre de convulsões. Um paciente, transferido para 125A após três semanas, teve pronta exacerbação das convulsões durante as quatro semanas seguintes, apesar das dosagens até 4 mg. diário. O segundo paciente transferido para 125A foi adequadamente controlado neste dosagem, exceto por um breve período de comportamento paranóico três semanas e meia depois; episódios semelhantes ocorreram antes terapia com canabinol. Outros distúrbios psíquicos ou reações tóxicas não se manifestaram durante os períodos de tratamento. Os hemogramas estavam normais. Os canabinóides aqui relatados merecem mais estudos em epilépticos não institucionalizados.

Faça o upload da sua documentação

Indique o seu médico

Faça o upload da sua documentação