Associações entre o uso de cannabis medicinal e o uso de opioides prescritos em pacientes com dor crônica: um estudo de coorte preliminar. - CBfarma

Associações entre o uso de cannabis medicinal e o uso de opioides prescritos em pacientes com dor crônica: um estudo de coorte preliminar.

Níveis atuais e perigos do uso de opioides nos Estados Unidos justificam a investigação de alternativas de tratamento para redução de danos. Um estudo de coorte preliminar, histórico, foi realizado para examinar a associação entre a inscrição no Programa de Cannabis Medicinal de New Mexico (MCP) e o uso de opioides prescritos. Trinta e sete pacientes com dor crônica que utilizavam opioides habitualmente (idade média = 54 anos; 54% do sexo masculino; 86% com dor crônica nas costas) inscritos no MCP entre 1/4/2010 e 3/10/2015 foram comparados a 29 pacientes não inscritos (idade média = 60 anos; 69% do sexo masculino; 100% com dor crônica nas costas). Utilizamos registros do Programa de Monitoramento de Prescrição de opioides ao longo de um período de 21 meses (primeiros três meses antes da inscrição para os pacientes do MCP) para medir a cessação (definida como a ausência de atividade de prescrição de opioides nos últimos três meses de observação) e a redução (calculada nas dosagens médias diárias de morfina intravenosa [IV]). Benefícios e efeitos colaterais relatados pelos pacientes do MCP após um ano de inscrição também foram coletados. Ao final do período de observação de 21 meses, a inscrição no MCP foi associada a uma chance ajustada para idade e sexo de cessação das prescrições de opioides 17,27 vezes maior (IC 1,89 a 157,36, p = 0,012), uma chance 5,12 vezes maior de reduzir as dosagens diárias de opioides prescritos (IC 1,56 a 16,88, p = 0,007) e uma redução de 47 pontos percentuais nas dosagens diárias de opioides em relação a uma mudança média positiva de 10,4 pontos percentuais no grupo de comparação (IC -90,68 a -3,59, p = 0,034). A tendência mensal nas prescrições de opioides ao longo do tempo foi negativa entre os pacientes do MCP (-0,64 mg de morfina IV, IC -1,10 a -0,18, p = 0,008), mas não estatisticamente diferente de zero no grupo de comparação (0,18 mg de morfina IV, IC -0,02 a 0,39, p = 0,081). As respostas do questionário indicaram melhorias na redução da dor, na qualidade de vida, na vida social, nos níveis de atividade e na concentração, e poucos efeitos colaterais do uso de cannabis um ano após a inscrição no MCP (ps <0,001). A evidência clinicamente e estatisticamente significativa de uma associação entre a inscrição no MCP e a cessação e redução das prescrições de opioides, além de melhorias na qualidade de vida, justifica investigações adicionais sobre a cannabis como uma potencial alternativa aos opioides prescritos para o tratamento da dor crônica.

Faça o upload da sua documentação

Indique o seu médico

Faça o upload da sua documentação