Um estudo duplo-cego controlado de nabilona versus proclorperazina para vômito refratário induzido por quimioterapia contra o câncer - CBfarma

Um estudo duplo-cego controlado de nabilona versus proclorperazina para vômito refratário induzido por quimioterapia contra o câncer

Vinte e sete pacientes que eram refratários ao tratamento antiemético comum previamente usado durante a quimioterapia foram incluídos em um estudo cruzado, duplo-cego e randomizado com o objetivo de comparar a eficácia e a toxicidade de 2 mg b.i.d. nabilona oral e 10 mg b.i.d. proclorperazina oral. Dezoito pacientes são atualmente avaliáveis quanto à eficácia. A gravidade da náusea foi menor durante o período de administração de nabilona. O número de ejeções de vômito e episódios de ânsia de vômito seco foi significativamente menor (P <0,001) na nabilona do que na proclorperazina. Houve um efeito significativo do período (P < 0,01) juntamente com a avaliação do paciente sobre os episódios de vômito e a avaliação do investigador sobre a eficácia terapêutica, sendo os escores de vômito piores durante o segundo período de tratamento. Setenta e dois por cento dos pacientes (P < 0,05) preferiram a nabilona à proclorperazina, de acordo com a eficácia terapêutica observada. Os efeitos colaterais (54%) foram mais frequentes e graves com nabilona do que com proclorperazina; hipotensão postural (42%), que foi grave em 7 pacientes com queda de mais de 30 mm Hg, vertigem (23%), alterações do SNC (cefaleia, depressão, fraqueza geral—4%; alterações de humor com disforia—8%) . A nabilona mostrou atividade contra vômitos induzidos por cis-plantinum (50 mg/m2) e adriamicina mais ciclofosfamida.

Faça o upload da sua documentação

Indique o seu médico

Faça o upload da sua documentação